o que há por aqui ?

quanto custa ?

Já não se escrevem cartas de amor

"Duarte é um jovem bon vivant, que, entre as noites glamorosas passadas no Grande Casino Internacional do Estoril, as tardes de café no Chave D’Ouro, no Palladium ou no Martinho do Rossio e a vida boémia nas boîtes da capital, vê o seu coração ser arrebatado por uma jovem alta, esguia, loura e de sorriso luminoso, de nome Erika. Mário Zambujal transporta-nos, nesta novela de prosa clara e original, pautada de humor, imaginação e sensibilidade, numa viagem de imagens e memórias, à Lisboa dos anos 50. Uma época de apetites e excessos. De paixões e desventuras. Era um tempo em que havia tempo. Até se escreviam cartas de amor."

Sinopse retirada do site Wook

Estado Bom
@9 (acrescem portes)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Comente para fazer contraproposta, licitar num leilão, gostar ou não gostar, ou simplesmente porque sim... Eu respondo no próprio comentário. @lexis :)